Recursos

Treino em atenção, intenção e atitude.

Normalmente, os que praticamos mindfulness e meditação, nem sempre temos muita clareza sobre que aspetos que estamos a cuidar na nossa experiência interior e o que estamos a treinar no nosso cérebro. No entanto, essa clareza é importante porque ajuda a compreender a nossa prática desde a raiz, tornando-se numa aprendizagem fundamental que nos ajudará mais tarde a melhorar e a direcionar a prática.

O mindfulness e a meditação treinam a nossa mente em três características complementares: atenção, intenção e atitude. E enuncio isso da mesma maneira a que nos referimos quando aprendemos um idioma desde diferentes perspetivas – como ler, ouvir e falar – ou exercitar o nosso corpo em diferentes aspetos – elasticidade, força, flexibilidade e resistência.

Talvez já tenham observado em vocês mesmos esse facto importante sobre nós humanos: temos sempre dentro de nós (como uma energia interior) e ao nosso redor (como se fosse uma vestimenta) essa coisa difícil de ver que é “um misto de atenção, intenção e atitude”. O que acontece é que essa “mistura a-i-a” chega a nós lentamente na vida por meio de fontes muito diferentes e que incorporamos automaticamente, sem perceber a sua presença e condicionando totalmente a nossa experiência.

Mesmo que pareça difícil de entender agora, deixem-me partilhar que um dos propósitos que procuramos com o mindfulness e a meditação é desenvolver a capacidade de sair deste piloto automático – o piloto automático desta “mistura a-i-a” – e entrar na liberdade de escolha – a liberdade de escolha desta “mistura a-i-a “ – de modo a poder obter o controlo sobre a nossa experiência interior – esta “mistura a-i-a” – e geri-la de forma a que sirva melhor aos nossos objetivos de vida.

Oh, agora dei-me conta! Posso ter-vos confundido um pouco! Estou a escrever sobre esta “mistura a-i-a” como se fosse algo muito conhecido, mas não é. Talvez devesse ter partilhado isso antes, mas se estou a escrever assim é porque gostaria que se lembrassem dessa “mistura de a-i-a” para sempre, para que se tornasse algo importante que conhecemos e que podemos compartilhar com os outros .

Vamos então refletir sobre o seu significado, mas brincando com as palavras segundo aparecem na nossa vida diária:

  • A Atenção é uma palavra que facilmente atribuímos aos nossos sentidos, principalmente à nossa visão, mas também ao olfato, audição, paladar ou taco. Pedimos a atenção dos outros quando queremos compartilhar. Negamos a atenção dos outros quando não queremos alimentar o comportamento deles. Talvez se lembre daquele jogo infantil de retirar a atenção e como era difícil o modo como nos sentíamos. Ou quão perturbador é quando as pessoas ao nosso redor não nos oferecem a sua atenção porque estão totalmente presas a um écran (pode ser um écran de TV em adultos ou um écran do tamanho da palma de uma mão em adolescentes).
  • A Intenção é uma palavra que nos ajuda a partilhar o que queremos atingir intimamente com as nossas ações. Sentimo-lo especialmente importante quando não é clara para nós, como na forma como rejeitamos uma “dupla intenção” ou sentimos a ameaça de “intenções ocultas”. Além disso, geralmente sentimo-nos tocados por pessoas com intenções bonitas, como “curar as crianças” ou “alimentar os pobres”, intenções que recebemos profundamente comoventes quando a pessoa assume abertamente um compromisso vitalício com isso (como fazem as religiosas por exemplo).
  • A Atitude surge mais como uma palavra que dá qualidade a uma ação, como quando “abrimos” algo. Podemos abrir uma porta lentamente, com cuidado, sem querer incomodar ninguém ao redor, ou podemos abrir uma porta impulsivamente, com um forte empurrão, sem nos importar com os outros nem com o impacto de nossa ação sobre eles. Dizemos que é “a nossa atitude ao abrir a porta” e isso ajuda a perceber o modo como nos relacionamos com os outros e com a vida. Na nossa vida diária, as boas atitudes referem-se geralmente às que ajudam os outros ou à vida, enquanto as más atitudes geralmente se referem àquelas onde se criam dificuldades para os outros ou para a vida. Essas “atitudes boas / más” são facilmente recebidas por crianças e animais de estimação, talvez porque eles reconheçam as suas fraquezas e sentir as atitudes dos outros os ajudem no jogo de sobrevivência.

Então, esse propósito importante que queremos do mindfulness – sair do piloto automático e entrar na liberdade – exige que possamos observar essa “mistura de a-i-a” tal como é, para poder escolher alterá-la. Essa auto-observação é habitualmente chamada de “meta-atenção”, definida como a nossa capacidade interior de observar a nossa própria atenção, intenção e atitude. Também é referida como “consciência”, pois significa tomar consciência da nossa atenção, da nossa intenção e da nossa atitude.

Mesmo que estes aspetos venham a ser explorados profundamente nos próximos artigos, permitam-me estabelecer alguns objetivos claros que facilmente ajudarão a encaixar tudo isto na estrutura do Mindfulness, uma vez que esta prática treina a combinação “a-i-a” numa direção muito concreta:

  • Mais atenção ao momento presente para que possamos ver mais e melhor, ouvir mais e melhor, saborear mais e melhor e sentir mais e melhor.
  • Uma intenção de amor, especialmente centrada na compaixão e gratidão de maneira a que encontremos maneiras de ajudar quando o sofrimento está presente e maneiras de viver com alegria e celebrar a vida quando não o está.
  • Uma atitude de curiosidade e bondade amorosa, sem julgamentos, com compaixão e com cuidado, uma atitude que está aberta para entender melhor, aberta para aprender coisas novas, aberta para interagir com mais respeito (dica: esta “abertura” é tão importante quanto necessária para uma vida em plenitude).

Adoraria continuar a falar sobre tudo isto em direções bem diferentes, mas não o farei hoje. No entanto, permitam-me escrever algumas palavras que contribuirão para uma bela reflexão – como monge, samurai, gueixa ou sumô – ou lembrar o trabalho extraordinário de Daniel Kahneman (sobre o sistema 1 e o sistema 2) para concluir que isto se trata do sistema 2 fazer uma verificação de sanidade , uma manutenção de vida e uma atualização saudável do sistema 1.

Aliás, essa “mistura de a-i-a” – que recordo mais uma vez que corresponde à “combinação de atenção-intenção-atitude” – quando se veste de amor para servir à vida e ao bem comum é também habitualmente chamada de “consciência”, como na “parentalidade consciente, liderança consciente ou sexualidade consciente”, embora a maioria das pessoas use este termo sem realmente saber o seu significado ou como cultivá-lo.

The School of We

Contacta com a TSoW

Qual o tipo de programa em que estás interessado?