Recursos

A IA está a chegar (parte 2)

Permitam-me voltar novamente às “diferentes ondas da IA” que apresentei na primeira parte deste post e construir a sua compreensão com mais detalhes sobre a forma atual como se manifestam na sociedade hoje em dia.

A IA da Internet é sobre personalização. Esta é a IA tal como é usada principalmente pelo Facebook e Google quando se relacionam com os usuários. Isto é o que The Social Dilemma ilustra com maestria. Esta é a IA que pode manter uma conversa contínua com todos os usuários, um de cada vez, criando bolhas de informação personalizadas. Esta IA está na raiz de todas as reclamações sobre a tecnologia e sobre os smartphones serem altamente viciantes e polarizarem a sociedade ao extremo.

A IA dos negócios é sobre otimização. Esta é a IA usada pelo Facebook e Google quando se relacionam com anunciantes. Isto também é ilustrado no The Social Dilemma em relação aos negócios e à política. Além disso, esta é a IA usada pela Microsoft e Amazon para gerir melhor qualquer negócio, qualquer função, qualquer setor, incluindo o seu próprio. Esta IA visa otimizar e extrair valor de cada oportunidade. Esta IA está na raiz de todas as principais forças disruptivas em setores tão diferentes como a entrega de alimentos (Ubereats), o compartilhamento de carros (Uber), o aluguer de quartos (AirBnB) ou novos bancos.

A IA de Percepção é sobre amplificação. Isto é IA quando faz a ponte do digital para o offline, para trás e para a frente, por meio de todos os tipos de dispositivos e sensores. Esta IA está no cerne das tecnologias de fala/som e de vigilância. É também a raiz de todos os serviços de saúde avançados e de tudo o que está relacionado com cidades inteligentes e monitorização em tempo real de tudo o que deve ser monitorizado.

A IA autónoma trata da substituição humana em áreas estreitas de atividade. Esta é a IA de veículos autónomos sem motorista (de carros autónomos a drones autónomos) e robótica em geral e quero dizer com isto quase tudo o que pode imaginar robótico dentro de um edifício (incluindo uma fábrica ou um hospital) que seja repetitivo ou responda a um conjunto de variáveis ​​externas.

A Inteligência Artificial Geral, ou IAG, é a IA que se comporta como um sujeito que não pode ser distinguido de um ser humano e que é capaz de realizar uma ampla gama de atividades e tarefas como qualquer pessoa. A IA do filme She (Ela) é uma fácil ilustração disso. Claro, é quando a IA atinge o limiar da inteligência geral que permite a substituição de qualquer pessoa em qualquer tarefa, em qualquer lugar e a qualquer momento.

A Superinteligência é sobre uma entidade semelhante a um deus com uma inteligência muito maior do que a dos seres humanos, que pode controlar tudo. A única opção das pessoas é subordinar-se e render-se. A IA no filme Trascendence é uma fácil ilustração disso.

Por precaução, deixem-me recordar que a IA visa total autonomia e automação, o que significa total independência dos humanos, o que significa total substituição dos seres humanos, o que significa grandes grandes máquinas trabalhando por si mesmas onde os humanos eventualmente ajudam na manutenção. Em algumas situações, a IA pode ser entendida como um complemento de tecnologia de um ser humano. No entanto, mais uma vez, a IA visa a automação total e substituição total.

Sobre o impacto da IA ​​na sociedade

Como tal, o impacto em tudo é enorme. Isso é amplamente conhecido na indústria, principalmente porque é a indústria digital que está a criar e a definir as metas. Nenhuma especulação aqui. Basta lembrar que “a melhor forma de adivinhar o futuro é criá-lo”. E a indústria digital está a criar isso em tempo real.

Entre todos os impactos considerados disruptivos, existem sem dúvida muitos aspectos positivos que respondem totalmente a vários tipos de sonhos. No entanto, em relação ao impacto não tão positivo, existe um acordo comum no que diz respeito à ruptura total em duas áreas:

  • a economia tal como a conhecemos.
  • os militares tal como os conhecemos.

O impacto da IA ​​na economia tem uma grande certeza na criação massiva de riqueza e uma grande incerteza sobre quem a receberá. Claro, se nada mudar e continuarmos no piloto automático, a criação de novas riquezas irá para os bolsos dos super-ricos e os 99,9% restantes ficarão piores do que nós, o que significa mais pobres, como já vem acontecendo nas últimas duas décadas. As pessoas mais ricas do mundo e as empresas mais valiosas do mundo são as da indústria digital. Então, a incerteza não é se isso está a acontecer, mas COMO ALTERAR ISSO que já está a acontecer. Toda a conversa, o barulho e a inventividade sobre o futuro do trabalho é uma conversa sobre essa mudança. O principal aqui não é sobre que empregos existirão, mas se haverá empregos suficientes para todos. Não se trata de qualidade, mas de quantidade, considerando que o objetivo da IA ​​é substituir os humanos. Quando se chegar a um acordo de que não haverá empregos suficientes, de modo que muitas pessoas não poderão trabalhar, então a conversa se abre para novas ferramentas no que diz respeito à distribuição de riqueza (diferente de empregos) tal como o rendimento básico universal.

O impacto da IA ​​nas forças armadas também tem uma grande certeza na fabricação em massa de armas autónomas letais (também chamadas de robôs assassinos) e uma grande incerteza sobre se haverá uma guerra de IA em grande escala com consequências inimagináveis. Eu li que os gastos atuais com a IA pelo exército dos EUA foram 6x maiores do que com todas as indústrias não militares em 2016. Podemos facilmente adivinhar que isso está a ser seguido por todos os outros “exércitos modernos”. Uma simples verificação no YouTube ajuda a reconhecer que isso está a acontecer e que começou há alguns anos. Especialmente impactante é a quantidade de criatividade destinada aos chamados drones assassinos, que são balas guiadas por alvos. A incerteza aqui é sobre a nova geopolítica que tudo isso está a provocar e como as partes vão reagir às mudanças no equilíbrio do poder militar. Há um sinal de alerta na indústria, mas nada parece estar a acontecer ao nível da rua, por isso as ameaças e os riscos estão também a crescer de forma autónoma.

Uma coisa importante em relação ao “impacto” é definir as metas para a IA. Este talvez seja o desafio mais difícil de todos os tempos, já que as metas que definimos serão incorporadas à IA e conduzirão todo o seu poder e força numa direção. Lembre-se mais uma vez que a IA procura uma total autonomia e automação, o que significa total independência dos humanos, o que significa grandes máquinas trabalhando por si mesmas em piloto automático perseguindo os objetivos 24×7.

Atualmente, parece que o objetivo principal da IA ​​é económico e fala sobre a «maximização do lucro». The Age of Surveillance Capitalism abre-se claramente para as mentalidades, estratégias e processos organizacionais que construíram e mantêm este objetivo de «maximização do lucro». E, vamos reconhecer, a IA está a desenvolver-se muito bem. Todas as empresas digitais estão entre as 10 empresas mais valiosas do mundo e todos os fundadores estão entre as 10 pessoas mais ricas do mundo. No entanto, os efeitos colaterais, fora da esfera de ação e da definição do objetivo, também são facilmente reconhecidos. Temos The social dilemma aqui para identificá-los. Por precaução, aponto dois efeitos colaterais muito importantes: o vício em tecnologia (do tipo drogas) entre os jovens e a polarização extrema e o confronto de visões políticas entre os cidadãos.

Claro, nada é conhecido publicamente sobre os objetivos militares da IA. Sinceramente espero e desejo que continuemos assim, sem saber, por séculos. Sem mais comentários.

Sobre as especificidades dos livros

O livro The Age of Surveillance Capitalism, de Shoshana Zuboff, fala principalmente sobre as ondas 1 e 2 no Ocidente e o quanto a indústria está em piloto automático, construindo uma extrema desigualdade de riqueza e disparando as probabilidades de impactos negativos. O livro é repleto de conceitos económicos e de negócios que organizam o que há de novo numa abordagem interessante e útil, o que eu gostaria de agradecer abertamente.

O livro AI Superpowers, de Kai-Fu Lee, fala sobre como a China está a corresponder, mesmo superando todos os esforços do Ocidente e trazendo um “sabor chinês” a este jogo da IA.

O livro Life 3.0, de Max Tegmark, reflete sobre a IA como um processo de inovação sem limites a um ritmo próprio, com forças extremamente fortes desdobrando-se, forças que podem ser para melhor ou para pior. Parece-me que nós, humanos, estamos a comportar-nos como testemunhas sem voz ou voto no processo de criação individualizado da IA. Algumas conversas paralelas estão a acontecer, mas parece que nós, sociedade, estamos totalmente no piloto automático, o que significa que estamos a conduzir negócios com fins lucrativos, sem aceitar qualquer responsabilidade pelos seus efeitos colaterais negativos (agora ou mais tarde). Eventualmente, este livro torna-se muito teórico (se não trabalha na criação de IA) e coloca o futuro de tal forma que a inteligência pós-humana eventualmente se espalhará pelo universo.

O livro Origem, de Dan Brown, é um romance best-seller que li duas vezes, primeiro em inglês e depois em português e que ilustra lindamente uma história que ajuda aqui (sem teaser).

Todos os livros representam um alerta sobre as enormes ameaças e riscos da IA. Se adicionarmos a isso outras vozes como Yuval Noah Harari e Tristan Harris, ou minha própria voz, então é extremamente fácil aceitar e concluir que “a IA está a chegar” como “o inverno está a chegar” em Game of Thrones. O que nos devemos perguntar não é quando vai chegar, pois já está a atingir-nos aos poucos, mas antes se conseguiremos gerir o impacto lateral que está a trazer à medida que cresce indefinidamente.

The School of We

Contacta com a TSoW

Qual o tipo de programa em que estás interessado?