Recursos

Treino em atitude, ação e impacto (parte 1)

Uma prática de mindfulness completa inclui estender o “treino” para atividades complementares, como comer ou caminhar. “O ‘treino’ de quê?”, talvez te perguntes! O “treino” das três características que treinamos com a prática de mindfulness e de meditação: atenção, intenção e atitude. Talvez te ajude lembrar e reler sobre esses três elementos antes de continuar, na medida em que este artigo completa e amplia o que introduzimos num outro artigo anterior sobre “Treino em atenção, intenção e atitude”.

No mundo anglo-saxónico, falamos de “alimentação consciente” ou “caminhada consciente” para nos referirmos a essas práticas complementares. Em português, há momentos em que mantemos esses termos sem tradução, embora outras vezes os traduzamos com o adjetivo “consciente” e os identifiquemos como “comer consciente” ou “caminhar consciente”.

Para entender melhor, vamos aprofundar, por exemplo, a prática de “mindful eating” ou “alimentação consciente” que oferecemos em alguns workshops. A proposta é apresentada em duas partes conforme descrito a seguir. Convido-te a pegares por exemplo num fruto seco e fazeres a prática enquanto lês as orientações. De qualquer forma, continua lendo para entender o processo.

Na primeira parte, o convite é que pegues no fruto seco delicadamente e visualizares todos aqueles que participaram no processo que permitiu com que tivesses esse fruto nas tuas mãos. Ao fazeres isso, permite-te um sentimento de gratidão pelo esforço deles.

  • os agricultores que lavraram os campos, plantaram as sementes, cuidaram do crescimento e colheram os frutos;
  • os transportadores que carregaram as caixas de frutos do campo para os armazéns de distribuição;
  • os comerciantes que receberam os frutos e os colocaram para venda;
  • a pessoa que os comprou e os preparou para chegar à tua mão.

A segunda parte da prática propõe-te comer os frutos secos, o mais devagar possível, mantendo toda a atenção no processo. Ao fazer isso, permite-te um sentimento de gratidão por cada um dos sentidos que se mantêm ativos.

  • presta atenção à cor, à forma e aos pequenos detalhes que vês com os teus olhos, como manchas, rachaduras ou áreas de sombra;
  • presta atenção ao tamanho, peso e pequenos detalhes que aparecem ao toque como superfícies lisas, rugosidade ou pequenas saliências;
  • presta atenção ao cheiro que exalam;
  • presta atenção ao quebrar os frutos secos com os dentes e aos pedacinhos que se formam; ao seu gosto, com as suas sutilezas e mudanças; a sensação do movimento dos pequenos pedaços com a língua e o palato.
  • presta atenção aos pequenos ruídos que o mastigar causa.
  • presta atenção à salivação, à deglutição e à descida dos frutos a caminho do estômago.

É fácil observar que essa prática treina, pelo facto de o fazermos de forma diferente, os três elementos-chave aos quais nos referimos: atenção, intenção e atitude.

  • atenção ao fruto seco, à cadeia de abastecimento e aos sentidos;
  • a intenção oferecida no agradecimento;
  • a atitude de curiosidade e cuidado.

No entanto, esta proposta permite identificar dois elementos adicionais que complementam os três anteriores e os completam: ação e impacto.

A “ação” foi “comer”. A proposta convidou-nos a fazer diferente e a ampliar a “ação” de comer, para que deixemos de comer em “piloto automático” e passemos a comer “percebendo” tudo o que envolve a ação de comer.

O “impacto” ocorreu em dois dos três níveis possíveis e levou-nos a perceber os efeitos de nossa ação: por um lado, em nós: alimentando-nos; por outro lado naqueles que, sem estar aqui, foram afetados por “comermos um fruto seco”.

O desenho a seguir ilustra como esses cinco elementos estão relacionados: atenção, intenção, atitude, ação e impacto.

Com o tempo, numa segunda parte deste artigo, aprofundar estes cinco elementos e como se relacionam uns com os outros.

The School of We

Contacta com a TSoW

Qual o tipo de programa em que estás interessado?